Arquivo da Categoria ‘Litoral Praia’

Fernando de Noronha

Fernando de Noronha:
O mar azul e as 21 ilhas e ilhotas rochosas compõem algumas das paisagens mais bonitas do país. A ótima visibilidade das águas e a preservação da fauna marinha faz com que seja admirado por mergulhadores de todo o mundo. Numerosas piscinas naturais, porém, tornam possível também aos inexperientes em mergulho observar as diferentes espécies de peixes. Em praias como Atalaia e Baía dos Porcos, bancadas de corais em águas rasas formam aquários naturais. Os golfinhos-rotatores, que habitam o mar em torno de Noronha, se reproduzem e alimentam-se na Baía dos Golfinhos, onde banhos, mergulhos e ancoramento de barcos são proibidos. O passeio de barco pelas ilhas, com parada na Baía do Sancho, é uma excelente maneira de conhecer as praias. O surfe é praticado entre dezembro e março, quando as ondas atingem 2 m de altura. Todas as noites, na sede do ProjetoTamar há palestras sobre ecologia. Taxa de preservação ambiental, que aumenta conforme a permanência, é cobrada na chegada. Transporte e bens de consumo, como bebidas e filmes fotográficos, são caros. Na alta temporada, os poucos restaurantes quase não dão conta do grande número de turistas. A hospedagem deve ser reservada com antecedência.
Enseada da Caieira: Piscinas naturais e recifes, com presença de tubarões. Muito perigosa para banhos, as ondas arrebentam nas pedras.
Mirante do Buraco da Raquel é ponto de alimentação das tartarugas marinhas.
Da Atalaia: Ótima para mergulho: tem piscinas naturais rasas com grande visibilidade e peixes coloridos. Acesso de 2,5 km em terra, a partir do aeroporto. As pedras, pretas e lisas, lembram a origem vulcânica da ilha.
Baía do Sueste:Recifes nas laterais. Águas mansas com muito sargaço, mas boas para banho. Areia clara e fofa.
O Ponta das Caracas: Tem piscinas naturais, mas o banho é proibido. Um mirante é a principal atração da praia.
Do Leão Mar em tons verde-azulados e areia avermelhada. Local de desova de tartarugas marinhas, as visitas são suspensas entre 18h e 6h (jan 1 jun). No lado direito da praia surgem esguichos quando a água bate nas pedras durante a maré baixa.
Da Baía do Sancho: Em forma de enseada, areias brancas e mar de águas verdes. Com ótima visibilidade da água e riqueza da fauna marinha, é excelente para mergulho livre. Está sujeita às mesmas restrições da Praia do Leão. Na maré baixa o acesso é possível a partir da Baía dos Porcos. Quando a maré sobe, o único caminho é através de estreita escada de ferro, fixada no rochedo.
Da Baía dos Porcos: Em frente dos rochedos Dois Irmãos, apenas recifes e 100 m de areia amarelada e fina. Tem belas piscinas naturais de pedra onde é proibido mergulhar. Há uma trilha que leva até a Praia Cacimba do Padre. Acesso também pela Praia do Sancho, por rochedo escorregadio.
Cacimba do Padre: Tem cerca de 900 m e areia clara e fofa, com búzios. É cercada por vegetação nativa dos morros. Entre novembro e março as ondas chegam até 5 m. Acesso pela Baía dos Porcos, através de uma picada de 250 m, ou por Quixaba, pela orla.
Quixaba: Pequena, desaparece na maré alta.
Do Bode: Ondas fortes formam piscinas naturais. Na maré baixa é possível ir até a Praia de Quixaba pelas pedras.
Do Americano: Tem 150 m, ondas fracas e areia fofa. Um acampamento instalado por tropas norte-americanas durante a II Guerra Mundial deu nome à praia. Acesso pela Praia do Bode ou na maré baixa, pelas pedras, a partir da Praia do Boldró.
Do Boldró: Na maré baixa, surgem dos recifes piscinas de águas cristalinas onde se observa a rica fauna marinha. Pedras encobertas na maré cheia e a correnteza do mar são perigosos para banhistas. Entre novembro e março as ondas chegam a 5 m.
Da Conceição: Areia clara e fina. O mar é tranqüilo, a não ser em março quando as ondas atingem 1,5 m. À direita fica o Morro de Fora, com pedras que formam numerosos aquários naturais na maré baixa. Acesso pelas praias de Boldró ou Cachorro.
Do Meio: Separada da praia do Cachorro por recifes e pedras. Boa para surfe durante as ressacas.
Do Cachorro: Recifes enfraquecem as ondas, que se desfazem na areia clara e fofa. Entre esta e a Praia da Biboca ocorre o curioso “Urro do Leão”, ruído provocado pela água do mar ao bater em uma fissura na rocha.
De Santo Antônio (Porto): Areia clara e fina, mar tranqüilo. Boa para surfe entre novembro e março, quando as ondas chegam a 1,5 m. Há um navio grego afundado próximo da orla, visitado por mergulhadores. Na praia estão as ruínas do Forte de Santo Antônio.
Air France: Pedras de origem vulcânica, mirante e vista das ilhas de S. José, Rasa e Sela Ginete. Fica na ponta da Ilha de Fernando de Noronha, encontro dos mares de dentro e de fora. Perigosa para banhos.
Buraco da Raquel: Piscinas naturais (proibidas para banho), rochedos e mirante.

Compartilhe no:
  • Orkut

Maria Farinha

Maria Farinha:
Recebeu esse nome por causa do crustáceo maria-farinha, uma espécie de siri. Cidade localizada em uma estreita faixa entre o mar e o Rio Timbó. As águas calmas e permitem passeios de jet ski e lancha. Outro destaque é o conjunto de piscinas e toboáguas do Veneza Water Park.
Maria Farinha: Águas rasas (podese andar vários metros com água pela cintura) e calmas, com muito sargaço, areia clara e fofa, recifes e coqueiros.
Da Conceição: Recifes afastados da praia formam uma prainha com águas calmas que lembram um lago. A faixa de areia tem muito sargaço.
Do Ó: Uma continuação da Conceição. Também tem muito sargaço.
Pau Amarelo: Urbana, Forte do Pau Amarelo (1719). Ocasionalmente poluída.
Do Janga: Urbana.

Compartilhe no:
  • Orkut

Igarassu

Igarassu:
Ao passear a pé pelo Centro, o visitante encontra construções históricas dos sécs. XVI, XVII e XVIII. O destaque é a Igreja de São Cosme e São Damião e o Convento de Santo Antônio (1588).
Da Gavoa: Passeios de barco para a Ilha de Itamaracá, Coroa do Avião e Maria Farinha.

Compartilhe no:
  • Orkut

Itamaracá

Itamaracá:
A principal atração é Forte Orange, erguido pelos portugueses em 1654. Da praia ao lado saem barcos de passeio para  Ilhota Coroa do Avião, piscinas naturais e manguezais. Na parte sul da ilha também está Centro de Preservação do Peixe-Boi Marinho.
Pontal da Ilha: Tranqüila, com casas de veraneio. Tem ondas calmas. Fica em frente à Ilha do Celeiro e a Barra de Catuama.
Do Fortinho (Enseada dos Golfinhos): Pouco movimento, com coqueiros, areia clara e batida. Vila de pescadores.
Do Sossego (Lance dos Cações): Faixa de areia fina, inclinada e escura. Águas calmas. Na maré baixa formam-se bancos de areia a 30 m da praia. Pontal do Jaguaribe: Fica em uma vila de pescadores. Perigosa por causa da Foz do Rio Jaguaribe.
Jaguaribe: Urbana. Sargaços tornam as águas turvas. Em agosto há o Festival de Pesca da Agulha. Imprópria para banhos durante a temporada. Quatro Cantos: Urbana, com recifes e muitos sargaços.
Pilar (Corrupio): Fica mais próxima do Centro. É uma extensão da Quatro Cantos.
Baixa Verde: Movimentada, mar calmo, recifes, currais de peixes e bares.
Rio Âmbar: Mar calmo, Iate Clube de Itamaracá.
Forno da Cal: Faixa reta de areia batida, mar calmo e algumas pedras. Aqui fica Centro de Preservação do Peixe-Boi Marinho.
Do Forte Orange: É uma extensão da Forno do Cal. Tem águas calmas e areia batida. Na maré baixa pode-se ir até as Piscinas dos Currais (20′ de barco). Barcos e jangadas para a Ilhota Coroa do Avião.

Compartilhe no:
  • Orkut

Porto de Galinhas

Porto de Galinhas:
“Chegaram as galinhas-d’angola.” Esta era a senha dos contrabandistas de escravos que aportavam naquela enseada calma e suficientemente distante de Recife para não ser apanhados. Daí o nome Porto de Galinhas. O ** Passeio de Bugue, da praia da Gamboa ao Pontal de Maracaípe tem duas horas de duração. Há passeios ** de jangada a piscinas naturais, com saída da Praia de Porto de Galinhas. A ** Ilha de Santo Aleixo, com acesso por barco, tem duas pequenas praias desertas.
da Gamboa – Tem piscinas naturais e vegetação de mangue. Vista do Porto de Suape e da Foz do Rio Ipojuca. Acesso de bugue ou a pé, a partir de Muro Alto.
Muro Alto – Recifes formam uma piscina natural de 2,5 km de extensão. Acesso de bugue a partir da Praia do Cupe.
do Cupe – Ondas fortes e piscinas naturais durante a maré alta. Areia batida. Perigosa para banhos nos locais desprovidos de recifes.
Porto de Galinhas -Tem 4 km de areia branca e batida, coqueiros, águas transparentes e mornas. Há passeios de jangada para os aquários naturais, formados nos bancos de corais durante a maré baixa.
Maracaípe – Baía com ondas fortes. Sedia etapa do Circuito Brasileiro de Surfe. Perigosa para banho.
Enseadinha – Tem recifes, ondas fracas e vegetação de mangue.
Serrambi – Areia fina e batida. Um condomínio de luxo dificulta o acesso.
das Cacimbas – A principal atração é uma formação rochosa com 50 m de largura junto à praia. Dentro, há uma piscina natural e pequenas grutas.
Toquinho – Ondas fortes, areia fina e batida, com recifes.

Compartilhe no:
  • Orkut

Cabo de Santo Agostinho

Cabo de Santo Agostinho:
0 cabo, com penhascos e morros, funcionou como um importante ponto de referência nas primeiras viagens de europeus ao país. O forte situado em suas encostas foi um foco de resistência à invasão holandesa no séc. XVII. Gaibu é a praia mais agitada do município. Calhetas e Pedra do Xaréu têm bares e quiosques na orla e são as mais bonitas.
do Paiva – Boa para surfe, tem pequena faixa de areia e coqueirais por quase toda extensão.
Itapuama – Enseada com areia grossa e clara.
Pedra do Xaréu – Pequeno trecho de areia com pedras. Na maré baixa forma piscinas naturais.
Enseada dos Corais – Ondas fracas. Há recifes perto da praia. A Associação dos Moradores não permite a entrada de grupos.
Gaibu – Movimentada, tem 3 km de extensão. Águas verdes, ondas fortes e faixa larga de areia fina e batida.
Calhetas -Pequena baía com areia grossa e clara. Procurada para mergulho.
Cabo de Santo Agostinho -Não tem praia, apenas rochas. Penhascos com vista para o Porto de Suape e Recife.
Paraíso (da Preguiça)- Tem apenas 30 m, com pedras grandes na praia e no fundo do mar.
Suape – Tranqüila, protegida por recifes. Há barcos de pesca, alguns quiosques e um hotel de luxo.

Compartilhe no:
  • Orkut

Praias de Recife

Recife
A capital pernambucana é rica em atrações. Destaque para os fortes +* do Brum (1629) e ** das Cinco Pontas (1677), construções da época em que a cidade era a sede da ocupação holandesa no Nordeste (séc. XVII). A *** Capela Dourada, construída entre os sécs XVII e XVIII, em estilo barroco, também merece uma visita, assim como o *** Museu do Homem do Nordeste O banho na Praia de Boa Viagem é recomendado até a barreira de recifes: além dali há o risco de ataque de tubarões. Com grande quantidade de bares e restaurantes, o agitado bairro do Recife Antigo está sendo revitalizado. O Carnaval atrai milhares de pessoas e é a melhor oportunidade para conhecer os ritmos típicos do Estado, como o frevo e o maracatu.
do Pina – Urbana. Ondas fracas. Ocasionalmente poluída.
Boa Viagem – Movimentada. Com 7 km de extensão, é urbanizada, tem quadras de esportes, chuveiros, pista para cooper e iluminação noturna. Parte dela é protegida por recifes, que formam piscinas naturais.
Piedade – Urbana e com ondas fortes. A areia é branca, fofa e com pedras.
Candeias – Orla urbanizada.

Compartilhe no:
  • Orkut

Praia em Maragogi

Maragogi:
Reunindo algumas das mais belas praias de Alagoas, Maragogi é o município turístico que mais cresce no Estado. O mar límpido reúne dezenas de tonalidades, do azul mais claro ao verde-escuro. Em alguns trechos da praia pode-se encontrar bancos de areia que permitem incursões mar adentro por mais de 200 m.
Peroba – Ondas fracas, areia fina e batida com muito sargaço. Há coqueiros na orla e recifes a 500 m da praia. Na maré baixa, formam-se piscinas naturais.
Ponta de Mangue  – Areia fina e batida, coqueiros e ondas fracas.
Xaréu – Não há sinalização na estrada que indique o acesso à praia. Mar azul, areia fina e recifes. Há pequena vila.
Barra Grande – Tem ondas fracas e areia fina.
Burgalhau – Tranqüila e com areia batida.
Maragogi – Próxima ao Rio Maragogi, com ondas fracas, recifes e areia fina e batida. Saída do *** Passeio de Barco até as piscinas naturais conhecidas como Galés, formadas na maré baixa, boas para mergulho.
São Bento – As águas são turvas por causa dos detritos levados pelo Rio Maragogi. Extensos recifes tornam as ondas calmas. Na maré baix formam-se bancos de areia a 2 km da praia (20′ de barco). Tem coqueiros, areia batida e uma vila de pescadores.
Japaratinga – Tem ondas fracas, recifes, coqueiros e areia escura e batida. Ao sul, o acesso de terra às praias torna-se muito precário no período de chuvas. O trecho que vai até Boqueirão é cercado de falésias de 8 a 20 m de altura, compostas por areias coloridas.
Bitingui – Em forma de ferradura, com recifes, ondas fracas, coqueiros e areia escura e batida. Tem uma vila de pescadores.
Barreiras do Boqueirão -Alterna trechos de areia clara e fina com outros pedregosos. Mar agitado, com ondas fortes e erosão que derruba coqueiros. Fontes de água doce próximas à praia.
Boqueirão – Alternam trechos de areia clara e fina com outros pedregosos. Mar agitado, com ondas fortes. Fontes de água doce próximas às praias.
do Pontal – Ondas fracas, areia fina e batida. O acesso a ela, Boqueirão, Barreiras do Boqueirão e Bitingui é feito através de Japaratinga ou por balsa, que cruza o Rio Manguaba em Porto de Pedras.

Compartilhe no:
  • Orkut

São José da Coroa Grande

São José da Coroa Grande:
Seu nome vem de uma formação rochosa, em forma de círculo (coroa ou “croa”), que abriga toda a baía, na divisa de Pernambuco com Alagoas. Um dos melhores lugares do Nordeste para a caça submarina.
do Porto – Em forma de ferradura, com coqueiros, ondas fracas e areia fina e batida. É uma região de mangues praticamente intactos, perto da barra do rio. Melhor acesso a pé, a partir da Praia da Várzea do Una. Aqui se encontra o curioso coqueiro solitário, uma palmeira isolada que cresceu na horizontal, junto à orla.
Várzea do Una – Baía com ondas fortes, faixa larga de areia fina e batida. Acesso por estrada arenosa entre coqueiros. Fica junto a uma vila de pescadores, onde se toma um barco para cruzar o Rio Una e chegar à Praia do Porto.
Gravata – Areia clara, ondas fracas e coqueirais. Muitos mosquitos (maruins) por causa do mangue. Acesso por trilha.
Coroa Grande – O nome vem de uma formação de bancos de areia que vai até os recifes, a 500 m da praia. Urbanizada. Tem ondas fracas e coqueiros. Podese fazer passeios de jangada ou praticar caça submarina.

Compartilhe no:
  • Orkut

Tamandaré

Tamandaré:
Vilarejo pacato, com alguma infra-estrutura. Do outro lado do rio, a Praia de Guadalupe é quase deserta e tem Mata Atlântica.
dos Carneiros – Metade é praia de mar, metade de rio, numa região de mangues. 0 trecho de mar é reto, com uma vila de pescadores, coqueiros, ondas fracas e areia fina, clara e batida. Acesso mais fácil pelo rio do que por um terreno particular.
Tamandaré – Formada por duas baías. Ondas fracas, coqueiros, areia fina e batida. A praia do norte, conhecida como das Campas, tem recifes. Procurada para esportes náuticos.
Boca da Barra – Recifes, ondas fracas, areia fina, batida e cinzenta, com muito sargaço. Fica na barra do Rio Mamocabinha. Ruínas do Forte de Tamandaré (1691) e um farol, ao lado. Acesso pela Praia de Tamandaré.

Compartilhe no:
  • Orkut